A vida seria um erro, se não existisse a música(Nietzsche). A vida é um erro, mas a música atenua este erro(O Caveira)

Isso, abaixo, seria a vida após a morte?

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Pais Inteligentes... Filhos Burros?(2)

Minha mãe chegou a tirar o então chamado segundo grau.
A mama era comunicativa, simpática, carismática.
Uma pessoa cativante, cheia de amigas.
Gostava de casa cheia(eu sempre fui o contrário-rs).

Ela foi uma heroína, e, como até disse meu único irmão, foi mãe e pai ao mesmo tempo, já que o velho era um pai ausente. Não conversava com a gente, só xingava.
Claro que ela tinha seus defeitos, mas as qualidades eram maiores. Era uma pessoa amorosa, conciliadora. Era possessiva, gostava de nos controlar,  mas só conseguia mesmo era fazer a cabeça do meu irmão; eu era o filho rebelde; ela não me controlava.

Ela foi uma boa mãe. Foi uma boa administradora do lar. Uma boa esposa. Uma infeliz heroína, já que conviveu durante sua vida com tantos malas: sua mãe, meu pai, seu segundo e último companheiro, meu irmão e eu próprio.rs

Minha mãe cozinhava muito bem. Era uma pessoa habilidosa, mas comodista e preguiçosa. Gostava de tudo na mão... Com o passar do tempo, preguiça e o comodismo só aumentaram ...rs

No final de 1992, depois de 37 anos de casamento, meus pais se separam.
Nossa confortável casa, é vendida. Meu irmão , morava com a esposa e os filhos, eu, que há um ano estava separado da minha esposa, vou morar com minha avó materna.
Comprovando que tinha mais "cabeça" do que o meu pai, a mama compra um apartamento, uns cem metros distantes da anterior residência. O velho resolve morar num apartamento, pagando aluguel...

A inflação era super alta, e meu pai não deu mais conta de pagar o aluguel. Vai então morar num hotel, em pleno centro da cidade. Novamente, a dificuldade em se manter. Eu, com a permissão da minha avó, o chamo para morar  conosco. E não foi bem uma questão de altruísmo, embora, claro , eu ter me preocupado com a sua complicada situação, é que eu e minha avó estávamos ruins também financeiramente, e meu pai ajudaria nas despesas.

Uns dois anos depois da separação, minha mãe junta os panos com outro homem.
Ele lhe dá mais conforto ainda que o meu pai dava, no entanto, a desdenhava mais do que o meu velho. Ela foi mais infeliz ainda com ele... E, de quebra, havia a família dele, que só trazia transtorno. A família do meu pai não a incomodava...

Todos ao nosso redor sabiam que graças à minha mãe,  seu companheiro subiu de vida. Minha mãe administrava bem. Ele mesmo costumava falar: "se não fosse sua mãe, eu já estaria debaixo da terra". Ainda assim, ele não foi um bom marido-eu fui testemunha.

Em 28.06.1998, meu pai, totalmente insano, devido ao Mal de Alzheimer , é internado.
Faleceu em 13.10.2002, aos 71 anos, depois de ficar dois dias num hospital, com pneumonia e outras complicações pulmonares. E padeceu logo num hospital público. A única coisa que ele deixou foi sua aposentadoria, que ficou com a minha mãe, já que eles não se separaram de direito.

Em 29.08.2008, minha querida mãe, falece, aos 67 anos, depois de uma luta de 37 dias, sendo quase um mês no CTI, de enfisema pulmonar.

E meu irmão e eu, como ficamos, como estamos?

...continua...

8 comentários:

  1. É uma pena. Porém agora é lutar.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  2. Janice, no meu caso, acho que a luta já está perdida. Só um milagre pode me ajudar.rs

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. É difícil avaliar relacionamentos, assim como o porque de sua manutenção, quando não satisfatório. Nenhum apresenta harmonia constante porque somos imperfeitos e lidar com as diferenças é complicado. Os filhos observam e "julgam", mas não podem entrar na alma dos pais. Nem eles nas suas. Cada um tem que encontrar o próprio caminho e, consequentemente, arcar com suas escolhas. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso! Concordo principalmente quando vc disse que lidar com as diferenças é complicado.

      Abraços.

      Excluir
  4. Estou na segunda parte, curiosa :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué, mas , agora, curioso fui em que fiquei: não gostou da terceira parte?rs. Tudo bem contigo, Gisa?

      Excluir
  5. Nossa, história cheia de reviravoltas!

    Você se sente injustiçado por tudo isso que aconteceu? Acha que estes problemas com seu pai e sua mãe de algum modo afetou o seu futuro?


    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hum... boa pergunta... Olha, Suzi, durante muito tempo, eu só culpa a vida, os pais, todos, enfim, pelos meus problemas, pelos meus fracassos; depois, reconheci minhas culpas, minhas falhas.

      Pense bem, meu pai era ao mesmo tempo ausente e estúpido...
      Minha mãe era possessiva e super protetora, principalmente no tocante a meu irmão, que era o preferido dela.

      Meus pais mudavam em excesso de residência; creio que isso prejudica a crinça/adolescente.

      Ainda, assim continuo sem respostas para muitas coisas...

      Obrigado!
      Beijos!

      Excluir

Todos os comentários serão respondidos.