A vida seria um erro, se não existisse a música(Nietzsche). A vida é um erro, mas a música atenua este erro(O Caveira)

Isso, abaixo, seria a vida após a morte?

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Problemas Que Persistem(E Cheguei a Ser Um Dependente Sentimental...)

E um problema que persistiu por muito tempo foi meu conturbado caso com a LL. Foram quase 4 anos de homéricas brigas. Nunca briguei tanto com uma pessoa, nem mesmo com a minha ex-esposa, nem mesmo com o meu pai.

Minha paixão foi super forte, insana, intensa!!! Tão intensa, que vou relatar algo  que ainda não havia dito, por aqui.  Em 2009, a LL pediu que eu fizesse algo para ela. Prefiro não contar o que foi, porque foi algo bem pessoal, entre nós. Ela tinha razão de pedir tal coisa, mas eu tinha um motivo de não atender o seu pedido. E , diante da minha negativa, ela falou que se afastaria de mim, em definitivo. Gente, me senti como uma criança desamparada(isso foi no telefone); como eu poderia viver sem ela? Me desesperei, na hora. Aí achei melhor lhe fazer uma revelação, a respeito do seu pedido. Na verdade, eu nunca havia feito tal revelação, porque temia que se o fizesse, ela perdesse a confiança em mim  e se afastasse( a revelação nada tinha a ver com ciume, sexo, coisas ilegais, nada disso). Mas, na hora pensei, o que mais tenho a perder? E ela aceitou a revelação. Rimos até, sobre isso, depois.

E ainda em 2009, ela irada com um e-mail que lhe enviei, a criticando, falou, ao fone, que se afastaria. Outra vez, fiquei desesperado, e cheguei a um ponto de dizer para ela, o que nunca disse pra ninguém: "me dê mais uma chance...". Ela ficou silenciosa , por alguns segundos, e me deu a chance... Voltamos a ficar numa boa, mas como sempre por muito pouco tempo.

Cheguei a fazer rimas para algumas mulheres, as quais gostei, mas foram poucas(rimas). Para LL foram de 80 a 100!  Para minha ex-esposa, que foi a mulher com a qual mais convivi, fiz uma rima , uma vez, depois de um briga nossa, quando tínhamos pouco tempo de casado e eu ainda estava apaixonado. Reconheci que eu estava errado,e escrevi, "I'm sorry, gatinha", onde dizia, "I'm sorry, gatinha, sei que a culpa foi minha"rs. Ela parece ter gostado , até mostrou a rima para a sua mãe. Quando nos separamos pela segunda vez, eu estava com tanta raiva dela que fiz uma rima, baseada numa letra de uma música do John Lennon, "Crippled Inside"(Aleijado por dentro), na qual proclamo que ela era aleijada por dentro.rs. E foram só essas duas, que fiz para ela.

O último contato que eu e a Ll tivemos foi no dia 06 de agosto, com ela respondendo uma crítica que fiz a seu respeito. Sua resposta foi à altura(rs). Optei por não mais responder.

Como, recentemente, testemunhei um blogueiro dando um selinho para ela, ficou patente que ela ainda desfila pela blogosfera.
Será que esse problema, que tanto persistiu, realmente, acabou?  O que ela sente?  Ainda se lembra de mim? Está aliviada e em paz com a minha ausência?  Já está com outro alguém?  E o que sinto? Bem, hoje não me sinto mais como uma criança desamparada. A vida continua...


29 comentários:


  1. Caro Roderick Verden

    Desculpe-me a minha manifestação.
    Compreendo a sua situação , pois eu mesmo , vez ou outra, encontro-me assim com relação a VTR, digamos que são tipo uma "recaída" , em que nos encontramos questionando motivos por não ter a relação dado certo, causas por termos sido rejeitados, e etc. , com a autoestima abaixo de zero...
    Já lhe relatei que a VTR , que tal relação motivou-me a realizar coisas que eu simplesmente não tinha consciência de que tinha capacidade para tal, e sobre isto - e exclusivamente no meu caso se aplica o texto abaixo do filósofo dinamarquês Kierkegaard:
    -----------------------------------------------
    A Grandiosidade do Homem Depende da Mulher, mas só Enquanto não a possui...
    O homem deve à mulher tudo quanto fez de belo, de insigne, de espantoso, porque da mulher recebeu o entusiasmo; ela é o ser que exalta. Quantos moços imberbes, tocadores de flauta, não celebraram já o tema? E quantas pastoras ingênuas não o ouviram também? Confesso a verdade quando digo que a minha alma está isenta de inveja e cheia de gratidão para com Deus; antes quero ser homem pobre de qualidades, mas homem, do que mulher - grandeza imensurável, que encontra a sua felicidade na ilusão. Vale mais ser uma realidade, que ao menos possui uma significação precisa, do que ser uma abstracção susceptível de todas as interpretações. É, pois, bem verdade: graças à mulher é que a idealidade aparece na vida; que seria do homem, sem ela? Muitos chegaram a ser gênios, heróis, e outros santos, graças às mulheres que amaram; mas nenhum homem chegou a ser gênio por graça da mulher com quem casou; por essa, quando muito, consegue o marido ser conselheiro de Estado; nenhum homem chegou a ser herói pela mulher que conquistou, porque essa apenas conseguiu que ele chegasse a general; nenhum homem chegou a ser poeta inspirado pela companheira de seus dias, porque essa apenas conseguiu que ele fosse pai; nenhum homem chegou a ser santo pela mulher que lhe foi destinada, porque esse viveu e morreu celibatário. Os homens que chegaram a ser gênios, heróis, poetas e santos cumpriram a sua missão inspirados pelas mulheres que nunca chegaram a ser deles.
    Se a idealidade da mulher fosse positivamente, e não negativamente, um fator de entusiasmo, seria a mulher à qual o homem, casando, se unisse para toda a vida. A realidade fala-nos, porém, outra linguagem. Quero dizer que a mulher desperta, sim, o homem para a idealidade, mas só o torna criador na relação negativa que mantém com ele. Compreendidas assim as coisas, poderá efetivamente dizer-se que a mulher é inspiradora, mas a afirmação direta não passa de um paralogismo em que só a mulher casada pode acreditar. Quem ouviu alguma vez dizer que uma mulher casada tivesse conseguido fazer do marido um poeta? A mulher inspira o homem, sim, mas durante o tempo que for vivendo até a possuir. Tal é a verdade que está escondida na ilusão da poesia e da mulher.
    Que o homem não possua a mulher, isso é o que pode ser entendido de várias maneiras. Ou está ainda na luta para a conquistar, e assim se disse que a donzela entusiasmou o amante a ponto de fazer dele um cavaleiro, mas nunca se ouviu dizer que um homem se tornasse valente por influência da mulher com quem casou. Ou está convencido de que nunca lhe será possível casar com ela, e assim se diz que a donzela entusiasmou e despertou a idealidade do amante que se manifestou capaz de cultivar os dons espirituais de que porventura era portador. Mas uma esposa, uma dona de casa, tem tantas coisas prosaicas com que se preocupar, que nunca desperta no marido a idealidade.

    Soren Kierkegaard, in "O Banquete" (Discurso de Vitor Eremita)

    -----------------------------------------------

    O texto acima é polêmico e sei que muitos não concordam com esta ideia´.

    No meu caso se aplica, em parte... (rs)

    Sujeito a crítica e sugestões.

    Saudações e um ótimo final de semana ( embora frio ) que já se avizinha.

    Vauxhall



    ResponderExcluir
  2. Prezado Vauxhall,

    É um texto polêmico mesmo! E revela uma amarga realidade(não é à toa que foi escrito por Kierkgaard). Vou ler mais vezes, mas de principio, me lembrei da "vontade" de Schopenhauer.

    Você falou em recaídas, e, neste meu caso com a LL,bati o recorde em ter recaídas. Além dela ter sido a pessoa que mais briguei na minha vida, foi também a que eu mais pedi desculpas, a que eu mais disse "eu te amo, eu gosto de você". E tudo termina assim, sem ao menos uma despedida. Antes de eu me apaixonar, a considerava minha melhor amiga. Mas, ela só tem mágoa de mim; diz que eu mais a agredi do que a agradei...

    No meu outro blog, o do vazio, relato, principalmente nos meus últimos posts, nosso caso. E existem dois posts, mais antigos, que falam sobre isso: "O Poder de Sedução" e "Armadilha do Destino".

    Muito obrigado por sua presença, e um ótimo final de semana para você também!

    ResponderExcluir



  3. Caro Roderick Verden

    A VTR não me permitia, de maneira alguma, que eu pedisse desculpas ou perdão a ela, dizia que não havia necessidade disto. Contudo ao não me permitir isto, ela evitava não ter que lidar com seus sentimentos e demonstrava e exercitava sua superioridade, sua total não dependência de ninguém nem de nada. Dizia ela que não era feita de procelana...e penso que ela acha que todos devem ser assim, duros, fortes, autossuficientes.
    Uma vez ela chegou a registrar em seus escritos no mundo virtual , que o verdadeiro homem gosta de perigo e de jogo, daí gostar de mulher, o jogo mais perigoso...( Vai ver ela não me considerava "homem" para ela(rs, rs, rs).
    Hoje, relendo isto ( que não foi dirigido a mim diretamente, mas registrado solto no mundo virtual) , entendo que ela considera que o verdadeiro homem (para ela) é o das cavernas, que para conquistar a mulher usava de violência e usava-a ao seu bel prazer, tratando-a como mero objeto, como mera posse, e não como outro ser humano.
    Verifico que há muita gente que pensa da mesma forma, não sei se mais homens que mulheres ou se mais mulheres que homens, às vezes as mulheres são mais machistas do que os próprios homens.
    Ela (VTR) devia ter deixado isto bem claro, pois, desse modo, eu teria agido com toda a força e brutalidade, arrancando-a de seu convívio familiar e levando-a comigo para as cavernas...(rs, rs).
    É isto.

    Abraços

    Vauxhall

    ResponderExcluir
  4. Bem, Vauxhall, eu não diria que ela gosta de um homem das cavernas, mas , a meu ver, ela gosta de seduzir, como ela mesmo disse, gosta de um jogo, um jogo perigoso, no qual ela seria a caça que provoca o caçador, o homem. E no seu jogo ela não se entrega, só provoca e seduz, e fica nisso.

    Me desculpe, Vauxhall, mas creio que você se envolveu com uma mulher bem complicada também.

    Não sei onde você mora, nem se você bebe, mas se morasse em BH/Contagem e gostasse de um golo(rs), o convidaria para bebermos um pouco, contando nossa saga com tão ingratas e complicadas mulheres, como a VTR e a LL. Afogando nossas mágoas...

    Saudações!

    ResponderExcluir
  5. Interessante que costumo me definir como um homem das cavernas, mas não no contexto de brutalidade. Sou um homem das cavernas gentil, cavalheiro.rs

    ResponderExcluir
  6. Nota-se que ainda pensa, e muito, nela. Quando desistimos, de fato, nem pensamos em como a pessoa está levando sua vida. Sentimentos costumam ficar em suspenso, apenas. Vez ou outra, mostram a face (rss). Abraços

    ResponderExcluir
  7. É, Marilene, acho que é isso mesmo. Foi muito marcante...

    Bom final de semana!

    ResponderExcluir



  8. Sabe que você me alertou para algo que eu até então não havia percebido...
    Tratava-se de um jogo, uma verdadeira manipulação de minha pessoa por ela - VTR , e foi ela quem começou a brincadeira.
    Relembrando agora, constato que foi ela quem iniciou tudo ( eu estava quieto em meu mundo, satisfeito com toda a minha vida , tranquilo... ) vagarosamente, insinuando-se gradativamente , e após eu morder a isca principiou o jogo de idas e vindas , de , digamos, altos e baixos , amor e ódio , de períodos de intenso contato e outros de plena e total ausência.
    Diagnóstico final: ELA É LOUCA , TOTALMENTE LOUCA.
    Eu agora bem sei os motivos dela agir assim ( É a tal história , explica mas não justifica ): Fui escolhido como receptáculo de uma vingança , dada a sua grande mágoa devido ao relacionamento paterno conturbado , vingança de todos os homens canalizando para a minha pessoa.
    Digna de pena!!!
    Triste persona.
    Contudo dizem que quem brinca com fogo acaba se queimando...
    Tenho absoluta certeza que o tempo mostrará para ela o grande erro que ela cometeu, e aí, bem, digamos que será tarde, muito tarde , e eu , então , poderei proferir uma última frase , clássica : AGORA É TARDE , INÊS É MORTA!

    Obrigado, Roderick Verden!!!

    Vauxhall

    ResponderExcluir
  9. Oi Vauxhall. Isso é o que chamo de brincar com os sentimentos alheios. Detesto isso! Lamentável o comportamento dela!

    Vauxhall, eu que agradeço a sua presença.

    Apareça sempre!

    Valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas




    1. Estimado Roderick Verden

      Como a vida imita a arte ou a arte imita a vida , e, em "homenagem" a minha situação , bem que se poderia dedicar a "ela" a música "Me deixa em paz", de 1951, de Monsueto e Airton Amorim, mas na interpretação/gravação de 1952, de Linda Batista , em ritmo de carnaval mesmo (...pois quem escapa de "uma" , cem anos vive...):

      Me deixa em paz

      Se você não me queria
      Não devia me procurar
      Não devia me iludir
      Nem deixar eu me apaixonar

      Se você não me queria
      Não devia me procurar
      Não devia me iludir
      Nem deixar eu me apaixonar

      Evitar a dor
      É impossível
      Evitar esse amor
      É muito mais
      Você arruinou a minha vida
      "Ora, vai mulher"
      Me deixa em paz

      Se você não me queria
      Não devia me procurar
      Não devia me iludir
      Nem deixar eu me apaixonar
      ...
      Não devia me iludir
      Nem deixar eu me apaixonar
      ...

      ------------------------------------------------

      Grato

      Vauxhall



      Excluir
  10. Caro Vauxhall, não tenho nem ideia da sua idade, mas vc já deve ter visto o quanto posto música do cantor Paulo Sérgio. Creio que essa serve para ela também, e pra muita gente:

    Agora que eu já vi
    O quanto és falsa
    Vou dizer na tua cara
    O que eu penso de ti
    Tu tens toda malícia da serpente
    E eu devia estar doente
    Quando me apaixonei por ti
    Sai de mim, por favor
    Que eu não quero o seu amor
    Eu não quero sofrer mais
    E por favor, me deixe em paz
    Deste um desgosto tão profundo
    Que por nada deste mundo
    Poderás ficar aqui
    Agora, por favor, vê se te manca
    Dá no pé, vê se te arranca
    Não sobrou nada pra ti
    Sai de mim, por favor
    Que eu não quero o seu amor
    Eu não quero sofrer mais
    E por favor, me deixe em paz (Reginaldo Rossi)

    ResponderExcluir
    Respostas


    1. Muito legal esta música.
      Tem tudo a ver.
      Também gosto muito das músicas e interpretações do Paulo Sérgio!
      Valeu!!!

      Muito grato

      Vauxhall

      Excluir
    2. E é composição dos brega dos bregas, Reginaldo Rossi.rs

      Só rindo para não chorar, caro Vauxhall!

      Excluir
  11. É assim que acontece com todo amor, uma hora boas coisas, dengos, palavras, depois aborrecimentos, saudades e um pedido imenso de bis, mas só para o que é especial...

    Boa sorte meu amigo, abraços e ótimo fim de semana pra ti

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E linda como você é, estás com um bonitão. rs

      E que sejam felizes, como parecem que estão.

      Tudo de bom, Janaina!

      Excluir
  12. Senhor Tio Verden!!! Estou seriamente em divida com o senhor, sei disso!!! Faz tempo que não comento aqui inclusive tem um novato nesse castelo néh?!?!

    Mas o senhor sabe que lerei cada postagem néh?!?!?

    Acho que sua relação com a LL tem sido a coisa mais difícil de ser digerida em sua vida... As idas e voltas, o sentimento platônico e tudo e tal... Espero que um dia ou o senhor consiga ser feliz com ela ou consiga digerir esse sentimento e seguir em frente feliz, eu torço muito por sua felicidade!!!

    Cheros meu querido tio... Espero que o senhor não esteja chatiado comigo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi querida sobrinha. Não, não estou chateado com você, de forma alguma. Fiquei preocupado com seu sumiço;senti sua falta. E como algumas pessoas somem, de repente, sem eu saber o motivo, algumas até por se decepcionaram comigo, às vezes penso que você também vai sumir.rs. Isso, sim, que me deixaria chateado.

      O Vauhall é um cara muito legal(rimou, hein?rs).

      Muito obrigado pela torcida, pela consideração que você tem comigo, Pandora. Também gosto muito de ti.

      Excluir
  13. A minha net é de açúcar, se chover derrete rrsrsrs... É triste, mas é o que temos para hoje aqui em casa, acho até que já habituei!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me deu uma curiosidade de saber qual é a operadora sua.

      Excluir
  14. Roderick, se tem uma coisa que mais torço é para que o tempo se encarregue de aliviar em você isso que sente. Penso que a coisa já está ficando mais leve e isso me alegra.

    Deve ser muito difícil para você. Mas o tempo se encarrega de curar qualquer ferida. Ficam as cicatrizes, mas a ferida cura.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Sinto um grande vazio e uma enorme sensação de fracasso.

    Grato pela força, Iza.

    ResponderExcluir
  16. Relacionar-se é também relevar. E pelo jeito, só uma das partes relevava. Infelizmente, durante um tempo, conseguimos levar o namoro em diante. Porém, chega um determinado momento, que percebemos a nossa própria anulação diante da pessoa. Não rola andarmos atrás de ninguém. O conjunto significa andar juntos. Lado a lado. Acredito piamente nisso. Aliás, meu relacionamento estava desta forma em um período atrás. Conversamos, chegamos até discutir. Hoje, confesso que melhorou e muito. Claro que para qualquer situação, vale tentar. Eu tentei. Bjs

    ResponderExcluir
  17. Fiquei até com inveja de você, Suzi. É tão bom a gente se entender com a pessoa que a qual gostamos muito.

    ResponderExcluir
  18. Estava lendo esse post e pensando... o que é isso? esse sentimento...bom...as vezes parece mais um vicio que propriamente um sentimento... que nos devora quando acontece...
    Nunca saberei explicar... nem como faze-lo parar...
    Vc acredita em vidas passadas? almas que se encontram atraves dos tempos? sera essa a explicaçao?

    ResponderExcluir
  19. Oi Frida. Bem interessante seu comentário. Paixão, no meu modo de entender, é algo bem irracional, embora, pelo menos no meu caso, encontre explicações para esse sentimento. Nos meus blogs, falei muito sobre. A LL me pareceu uma mulher bem diferente, especial, cheia de predicados, além de fisicamente ser meu tipo.
    Devo admitir que eu estava carente, na época que me apaixonei. Além de ser bem ingênuo no mundo virtual, e isso me envolveu muito.

    A LL não costuma admitir, talvez até mesmo por modéstia, mas pelo que pude notar, é fácil se apaixonar por ela, muito fácil.

    Houve um desgaste enorme , na nossa relação,e a paixão findou, eu penso. Ainda gosto dela, ainda tenho carinho e desejo por ela, mas, repito, o desgaste foi enorme e a minha apatia, misturada com uma descrença imensa, junto ainda com a minha falta de perspectiva para sobreviver, diminuíram muito o sentimento.

    Não acredito em vidas passadas. Você acredita?

    Grato pelos comentários.

    ResponderExcluir
  20. Temos historias bem parecidas pelo que vejo...
    Se acredito em vidas passadas? Nao sei... talvez seja apenas minha busca por respostas...
    Se cuida Roderick...

    ResponderExcluir
  21. Histórias parecidas?! Fiquei curioso...rs

    Obrigado, Frida.

    Tudo de bom pra você!

    ResponderExcluir
  22. É... os estragos que desabores amorosos causam em nossas vidas, são tão fortes e marcantes que em alguns levam ao afastamento de novos romances.
    Infelizmente não saí ileso a essa experiência. Como resultado, me vi fugindo do que poderiam ter sido novos romances, novas paixões.
    Tudo seria tão fácil se fossemos amados com intensidade e paixão equivalentes às nossas, pela pessoa amada. Mas essa sorte é pra poucos. No meu caso, colecionei algumas paixões platônicas, e embora sem serem correspondidas, ao menos não me dilacelaram o coração.
    Resta sempre o tempo para tudo curar. (ou atenuar)
    Vlw!

    ResponderExcluir
  23. Como sempre digo, todo cuidado é pouco.rs
    E como você disse, a sorte é para poucos.

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão respondidos.